Você está aqui: Página Inicial > Órgãos > Conselho de Controle de Atividades Financeiras - Coaf > Publicações > Coaf identifica e compartilha sinais de alerta para mitigar riscos de fraudes durante a pandemia

Coaf identifica e compartilha sinais de alerta para mitigar riscos de fraudes durante a pandemia

publicado 21/05/2020 21h03, última modificação 19/06/2020 16h27

Considerando que o presidente do Grupo de Ação Financeira (Gafi), em comunicado datado de 01 de abril de 2020, reforçou a importância de que as unidades de inteligência financeira continuem a compartilhar informações com o setor privado, a fim de se priorizar e mitigar os principais riscos de lavagem de dinheiro (LD), particularmente aqueles relacionados a fraude, além dos riscos de financiamento do terrorismo (FT) ligados à pandemia de Covid-19;

Considerando o comunicado do Grupo de Ação Financeira da América Latina (Gafilat), de 08 de abril de 2020, que alerta para os riscos de Lavagem de Dinheiro e Financiamento de Terrorismo associados ao enfrentamento da Pandemia, entre os quais um possível aumento dos casos de corrupção em razão da flexibilização de regras para aquisições governamentais de insumos médicos;

O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) informa que vem atuando de forma vigilante e coordenada com outros órgãos da administração pública e com os setores obrigados a fim de prevenir os mencionados riscos de LD e FT impostos pela pandemia de Covid-19.

A respeito do assunto, os principais sinais de alerta detectados pelo Coaf, até 16 de junho de 2020, foram:

  • Contratação, com dispensa de licitação e superfaturamento de preço, de empresas com características de fachada e pertencentes a sócios com características de se tratarem de interpostas pessoas;
  • Recebimento de recursos públicos destinados à compra de equipamentos ou insumos para o combate à pandemia com imediata transferência a terceiros sem relacionamento financeiro aparente;
  • Transferência de recursos para servidores públicos por empresas que receberam pagamentos decorrentes de contratos administrativos;
  • Realização de saques em espécie imediatamente após o recebimento de repasses de recursos públicos.
  • Recebimento de transferências federais por correspondentes bancários destinadas ao pagamento de auxilio emergencial com imediato repasse de percentual a terceiras empresas, possivelmente de fachada;
  • Recebimento de ordens de pagamento do exterior justificadas como comissões por vendas de máquinas hospitalares por pessoa sem histórico de atuação no ramo;
  • Utilização de intermediários para a aquisição de ventiladores pulmonares importados que declaram preço muito superior ao publicado no website da empresa estrangeira exportadora;
  • Criação de empresas de fachada em nome de familiares para transitar recursos desviados;
  • Empréstimo de conta bancária por funcionários de empresa de equipamentos médicos para transitar recursos possivelmente desviados de contratos administrativos, com posterior devolução dos valores à empresa empregadora ou empresas associadas.

 Até o presente momento o Coaf:

  • Recebeu 189 Comunicações de Operações Suspeitas dos Setores Obrigados possivelmente associadas a ilícitos envolvendo a pandemia, dentre eles: possíveis desvios de recursos públicos destinados ao combate à pandemia; fraudes, inclusive por meio da internet, e estelionato em relação a produtos e supostos medicamentos destinados ao tratamento da doença; e tentativa de repatriação de recursos ilícitos na forma de suposta doação para o combate à pandemia.
  • Recebeu 121 Comunicações de Autoridades Competentes pelo Sistema de Intercâmbio de Informações - SEI-C relacionadas a investigações associadas a fraudes na contratação de produtos e serviços para o combate à Covid-19.
  • Produziu 101 Relatórios de Inteligência Financeira (RIFs) sobre o assunto.

Fonte: Coaf