Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2015 > Setembro > Volume de títulos de investidores estrangeiros na Dívida Pública cresce em agosto

Notícias

Volume de títulos de investidores estrangeiros na Dívida Pública cresce em agosto

O dado faz parte do Relatório Mensal da Dívida; programa Tesouro Direto registra novos recordes
publicado: 29/09/2015 12h14 última modificação: 30/09/2015 12h26

O volume financeiro de títulos da Dívida Pública Mobiliária Federal Interna (DPMFi) pertencentes ao grupo de investidores não residentes no país cresceu em agosto, para R$ 488,51 bilhões, de R$ 484,07 bilhões em julho e R$ 406,96 bilhões em dezembro do ano passado.

O dado faz parte do Relatório Mensal da Dívida Pública Federal referente a agosto, divulgado nesta segunda-feira (28) pelo Tesouro Nacional.

De acordo com o coordenador-geral de operações da Dívida Pública, José Franco, além de os investidores não residentes não estarem saindo do país, alguns pretendem entrar, porque as condições atuais estão favoráveis para isso.

"Até o momento não foram observados fluxos de saída de nenhum tipo de investidor não residente. Por outro lado, há relato de que muitos não residentes estão se preparando para entrar. As taxas de juros estão elevadas e o real está depreciado. Isso faz com que o investidor não residente tenha um melhor ponto de entrada no país", explicou Franco.

O relatório do Tesouro apontou que a Dívida Pública Federal do Brasil (DPF) aumentou 3,16%, em termos nominais, em agosto na comparação com julho, para R$ 2,686 trilhões. O resultado ficou dentro dos limites estabelecidos pelo Plano Anual de Financiamento (PAF) para 2015, que vão de R$ 2,65 trilhões a R$ 2,80 trilhões.

A Dívida Pública Mobiliária Federal Interna (DPMFi) avançou 3,10% entre os dois meses, para R$ 2,552 trilhões, enquanto a Dívida Pública Federal Externa cresceu 4,35%, para R$ 134,32 bilhões.

O Tesouro informou que essa variação da dívida externa resultou principalmente da desvalorização do real frente às moedas que compõem o estoque da dívida.

A parcela dos títulos prefixados na DPF aumentou de 41,32% em julho para 41,59% em agosto, enquanto a de títulos indexados a índices de preços diminuiu de 33% para 31,99%. A participação dos títulos remunerados por taxa flutuante aumentou de 20,64% para 21,28%.

Desses percentuais, apenas o de índice de preços ficou um pouco abaixo dos limites do PAF, que variam de 33% a 37%. "Mas a ideia é terminar o ano com todos os indicadores dentro dos limites do PAF", disse Franco.

Quanto à estrutura dos vencimentos, o percentual vincendo em 12 meses dentro da DPF passou de 22,44% para 25,20% entre julho e agosto, mas Franco explicou que isso se deve ao efeito estatístico causado pelo calendário de vencimentos. "À medida que os meses forem passando, esse indicador vai diminuir, para terminar o ano dentro do limite do PAF (25%)", disse Franco.

Ele chamou atenção também para o exercício da opção de compra do Global 2040, que ocorreu em agosto. "Como já dissemos, estamos fazendo um programa de recompra dos títulos da dívida externa, e fazia todo o sentido exercer essa opção", disse Franco.

Tesouro Direto

O Programa Tesouro Direto teve em agosto mais um mês de recordes, tanto pelo número de novos investidores cadastrados, 15.187, quanto pelo total de operações de vendas de títulos em único mês, de 112.993.

Com esse acréscimo, o total de investidores cadastrados subiu para 552.166, 31,77% a mais que o registrado em agosto do ano passado. As emissões líquidas do programa, de R$ 987,47 milhões, também foram as maiores da história do programa, destacou Franco.

"O Tesouro Direto vem passando por uma série de mudanças desde março de 2015, como a mudança dos nomes e a possibilidade de recompra diária. Essas mudanças deixaram o programa mais simples, mais acessível aos investidores e isso tem favorecido bastante as vendas", disse o coordenador-geral de planejamento estratégico da dívida pública, Luiz Fernando Alves.

Os títulos mais demandados pelos investidores foram os remunerados por índices de preços, que responderam por 60,43% do total vendido. O estoque do Tesouro Direto alcançou R$ 20,611 bilhões, um, acréscimo de 5,87% na comparação com julho. O Tesouro IPCA+ é o título com maior representação no estoque, correspondendo a 43,15% do total.