Você está aqui: Página Inicial > PMIMF > Frentes de Atuação > Inovação (Projetos e Processos) > Notícias da Frente de Inovação > Saiba as diferenças entre Riscos, Premissas e Restrições em Projetos

Notícias

Saiba as diferenças entre Riscos, Premissas e Restrições em Projetos

FRENTE DE INOVAÇÃO

No presente artigo, explicamos um pouco mais sobre três conceitos que facilmente são confundidos por equipes e gerentes de projetos
publicado: 14/06/2017 15h37 última modificação: 26/04/2018 18h41
Imagem retirada da internet

No momento de elaborar o Plano de Gerenciamento do  Projeto, nos deparamos com três perguntas que nem sempre é tão fácil de se distinguir à primeira vista: o que de fato é uma premissa, um risco e uma restrição. A relação entre eles existe, embora seus conceitos sejam bem distintos. Vamos ver uma maneira fácil de entender quando cada um deles deve ser aplicado.

 

Primeiro, vamos à definição dos conceitos pelo PMBOK (5º Edição):

  • Premissa: é um fator que, no momento do planejamento, é considerado verdadeiro e que é utilizado para fins de planejamento.
  • Restrição: é uma limitação, algo conhecido que impede ou restringe o projeto, tais como uma data limite, uma restrição orçamentária, uma quantidade fixa de membros na equipe etc.
  • Risco: se traduz como algo que pode ou não acontecer, um evento ou condição incerta que, se ocorrer, provocará um efeito positivo ou negativo nos objetivos de um projeto.

 

A pergunta é: como distinguir esses conceitos em um projeto? Para exemplificar, imaginemos o projeto de construção de uma casa. Ao esboçar este projeto, podemos considerar que:

1)    Premissa:
Exemplo: “A casa terá o alvará de construção aprovado”. Estaremos assim assumindo que a parte de documentação estará validada (sem restrições), não consideraremos a possibilidade de qualquer atraso ou negação que possa impactar no projeto.

- Dica: Sempre que tiver uma premissa, necessariamente, teremos um risco atrelado. Suponha que o alvará não seja aprovado, portanto, o projeto não poderá ser executado como inicialmente pensado (por exemplo, iniciar na data prevista).

- Dúvida: Então, porque é necessário estabelecer Premissas? Não bastaria apenas gerenciar os Riscos?

As premissas são utilizadas para o planejamento inicial, estabelecer as condições iniciais para viabilizar um projeto. Um projeto em que não existem condições iniciais e que tudo pode acontecer está sujeito a fugir do controle.

2)    Restrição:
Exemplo: “As obras só poderá ser executadas, segundo convenção do condomínio entre 08h e 18h”. Estamos então obrigados a executar o projeto seguindo essas regras. Não há “SE” neste caso; não temos como escapar: é uma restrição que o projeto precisa obedecer.

- Dica: Restrições ajudam a evitar Riscos.

- Dúvida: Como uma restrição ajuda a evitar riscos? Se a equipe não respeitar o horário permitido, o projeto poderá levar uma multa. Então existe um risco de ser multado, o que afetaria o orçamento do projeto. A Restrição de trabalhar somente no horário permitido evita que o risco da multa aconteça.

3)    Risco:
Exemplo: “Se chover mais de 5 dias por mês, o prazo de entrega da casa irá atrasar”. Como ter certeza do quanto irá chover durante o projeto? Impossível! Ninguém consegue ter certeza da previsão do tempo. No máximo podemos conhecer a probabilidade de acontecer com base nas previsões do tempo, mas ainda assim é algo incerto. “SE” acontecer, poderá afetar o projeto.

- Dica: O gerenciamento dos Riscos compreende a identificação o entendimento do impacto e probabilidade, e as respostas aos Riscos identificados. Podendo o gerente optar por evitá-los, ou então reduzir os impactos se acontecerem.

 

Portanto, as Premissas são fundamentais para permitir a execução do projeto. As Restrições estabelecem os limites para executar o projeto e os Riscos nos preparam para lidar com eventos que podem afetar o andamento do projeto.