Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2016 > Maio > Meirelles anuncia indicação de Ilan Goldfajn para o Banco Central

Notícias

Meirelles anuncia indicação de Ilan Goldfajn para o Banco Central

Ministro também definiu os secretários de Previdência, de Acompanhamento Econômico e de Política Econômica
publicado: 17/05/2016 11h18 última modificação: 05/07/2016 17h54
Gustavo Raniere/GMF

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, informou, nesta terça-feira (17/05), que o  economista Ilan Goldfajn será o novo presidente do Banco Central. O nome deverá ser aprovado pelo Senado Federal, conforme determina a Constituição.

Meirelles também anunciou o economista Marcelo Caetano, do Ipea, como o novo titular da nova Secretaria de Previdência, a ser criada no Ministério da Fazenda. Para a Secretaria de Acompanhamento Econômico, Meirelles nomeará o economista Mansueto de Almeida.

O atual diretor de Política Econômica do Banco Central, Carlos Hamilton, será o novo Secretário de Política Econômica.  Ele assumirá o cargo no lugar de Manoel Pires, que acumulava as funções de secretário de Política Econômica e de Acompanhamento Econômico.

Ao anunciar os nomes dos quatro novos integrantes da equipe, o ministro Henrique Meirelles esclareceu que Mansueto de Almeida irá focar sua atividade na busca da qualidade e eficiência das despesas públicas.

“A secretaria manterá sua ação na competitividade e na microeconomia, mas o foco principal é uma análise detalhada das contas públicas para a elaboração de um diagnóstico preciso e concreto da situação”. A  partir desse diagnóstico , disse o ministro, será possível adotar medidas eficazes e que não tenham que ser revertidas “em uma semana ou meses”.

Carlos Hamilton, na SPE, será um formulador da política macroeconômica que fundamentará as ações do governo federal. “Ela vai nos dar toda a base para as ações, com uma avaliação dos diversos componentes das despesas públicas com precisão”, ressaltou o ministro.

Meirelles reforçou sua intenção de só anunciar medidas de estabilização da economia e recuperação do crescimento após ter um diagnóstico preciso do quadro atual das contas públicas. “Vamos devagar que eu estou com pressa. Vamos nos mover rápido, mas de forma eficaz, sem idas e voltas”.

PREVIDÊNCIA

O ministro destacou que Marcelo Caetano terá como atribuição formular uma política de previdência social no Brasil. Relatou que durante reunião com as centrais sindicais, realizada ontem (16/05) no Palácio do Planalto, foi definido que em 30 dias será apresentada ao Congresso Nacional uma proposta de reforma da Previdência.

“Essa é minha recomendação. É um prazo adequado. Vamos ter uma política coordenada e a ideia é apresentar uma proposta que tenha sido discutida com a sociedade, com as centrais e com o Congresso. [Ou seja] Que  já tenha passado por uma série de discussões para evitar qualquer margem de ida e volta”, disse o ministro.

AUTONOMIA TÉCNICA DO BANCO CENTRAL

O economista Ilan Goldfajn, no comando do Banco Central, irá coordenar a política monetária  e cambial. Segundo Henrique Meirelles, se por um lado o BC deixa de ter status de ministério por outro ganhará a prerrogativa de foro especial, por meio de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC).

Conforme Meirelles, a proposta é incluir na Constituição a autonomia técnica decisória do Banco Central.  “Isso mantém uma decisão que prevaleceu em termos práticos e operacionais e impede que ela seja questionada. É uma autonomia de decisão que não se confunde com  a independência. Já é um avanço enorme em relação ao que hoje é um acordo verbal. Agora teremos autonomia institucional”, esclareceu.

BANCOS PÚBLICOS

O ministro da Fazenda explicou que os nomes da nova equipe serão anunciados gradualmente, após estudo de cada área “com rapidez, serenidade e profundidade”.  Os próximos nomes a serem anunciados serão os novos titulares dos bancos públicos – Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco do Nordeste e Banco da Amazônia.

“A decisão sobre os bancos públicos significa que serão anunciados os titulares de cada posição, que pode, inclusive, ser a manutenção dos atuais ocupantes” sinalizou Meirelles. Esclareceu, ainda, que todos aqueles que não têm substitutos permanecem nos seus cargos. “Como prerrogativa do ministro ou dos secretários, faremos avaliação constante desses cargos e nada impede que outras mudanças sejam anunciadas”.

Sendo assim, permanecem no cargo,  no momento, o secretário do Tesouro Nacional, Otávio Ladeira, o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, e os demais secretários do Ministério da Fazenda.

Veja os currículos dos novos secretários.

Confira abaixo o áudio da entrevista coletiva

Download do Áudio

 

registrado em: