Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2015 > Setembro > CMN fixa TJLP em 7,0% para o 4º trimestre de 2015

Notícias

CMN fixa TJLP em 7,0% para o 4º trimestre de 2015

Nota à imprensa

Foi aprovada ainda a reabertura de prazo para operações de crédito rural do Pronaf
publicado: 24/09/2015 00h00 última modificação: 08/03/2017 12h12

O Conselho Monetário Nacional aprovou em reunião ordinária nesta quinta-feira (24/09) os seguintes votos apresentados pelo Ministério da Fazenda:

I – Reabre o prazo para liquidação das operações de crédito rural dos Grupos “A” e “A/C” do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), de que trata a Resolução n° 4.298, de 30 de dezembro de 2013.

1 - A Resolução nº 4.298, de 30 de dezembro de 2013, autorizou a liquidação, com rebate de 80% sobre o saldo devedor atualizado, das operações de custeio e investimento contratadas até 31 de dezembro de 2010 ao amparo dos Grupos “A” e “A/C” do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), com risco dos Fundos Constitucionais de Financiamento do Norte (FNO), do Nordeste (FNE) e do Centro-Oeste (FCO) ou da União, que estiverem em situação de inadimplência em 30 de dezembro de 2013.

2 - O prazo para liquidação venceu em 30 de junho de 2014. No entanto, com o objetivo de atingir um grupo maior de produtores, o Conselho Monetário Nacional reabriu esse prazo para até 30 de dezembro de 2015. Ademais, o percentual de rebate para liquidação passará a ser de 70%.

II – Fixa a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) para o quarto trimestre de 2015.

O Conselho Monetário Nacional (CMN), na reunião de 24 de setembro de 2015, decidiu alterar a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) de 6,5% para 7,0% para o 4º trimestre de 2015.

A TJLP é calculada a partir de dois parâmetros:

a) meta de Inflação

b) prêmio de risco

A meta de inflação foi fixada para 2016 e 2017 em 4,5% a.a. com intervalo de tolerância de 2 pontos percentuais para 2016 e 1,5 ponto percentual em 2017. Não houve alteração nesse parâmetro.

Quanto ao Prêmio de Risco o CMN decidiu elevar este componente em 0,5 ponto percentual, tendo em vista a evolução média dos índices que refletem o risco-Brasil em mercados internacionais.