Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2015 > Julho > Brasil exercerá opção de compra do Global 2040 no mercado externo

Notícias

Brasil exercerá opção de compra do Global 2040 no mercado externo

Nota à imprensa

Recompra de títulos emitidos há mais tempo minimiza eventuais distorções na curva de juros e aumenta sua eficiência
publicado: 16/07/2015 00h00 última modificação: 05/05/2016 15h36

O Tesouro Nacional tornou público, em 16 de julho, que exercerá, em sua totalidade, a opção de compra embutida no Global 2040, título denominado em dólares emitido em 09 de agosto de 2000, pertencente à carteria de títulos da Dívida Pública Federal Externa (DPFe). Conforme previsto no prospecto do título, o emissor pode resgatá-lo a partir de 17 de agosto de 2015, por seu preço ao par (100% do valor de face). 

Esta operação está em linha com a diretriz de atuação do Tesouro Nacional de aperfeiçoar o perfil do passivo externo, por meio da substituição gradual de títulos antigos (high coupon bonds) por títulos com prazos de referência (benchmark) bem definidos, com vistas a consolidar a curva de juros externa em dólares. A recompra de títulos emitidos há mais tempo e que já não representam adequadamente as condições atuais do crédito da República minimiza eventuais distorções na curva de juros e aumenta a sua eficiência, beneficiando também as captações de empresas brasileiras no longo prazo, que passam a ter referências de preços mais adequados. Além disso, essa prerrogativa do Tesouro Nacional está prevista no Plano Anual de Financiamento (PAF) – 2015[1]. 

O Global 2040 paga encargos de 11% a.a., enquanto os demais títulos da República de prazo semelhante pagam cupom substancialmente inferior. O Global 2045, por exemplo, atual benchmark de 30 anos da República, tem cupom de 5% a.a.. Em uma comparação direta entre esse título e o Global 2040, o exercício da call geraria uma economia de juros superior a 1,7 bilhão de dólares[2]. Ademais, na ausência da opção de compra, o preço seria bastante superior ao par (100%), valor pago pela República. Isso reflete os altos encargos do título que seriam pagos até vencimento em 2040. 

Além dos aspectos acima, cabe mencionar que, em geral, títulos com opção de compra embutida possuem menos liquidez do que outros títulos de prazo semelhante, prejudicando também a formação de preços e a eficiência da curva de rendimentos.  

O valor referente ao exercício da opção integral de compra do título Global 2040 totaliza US$ 1.156.336.000,00 (um bilhão, cento e cinquenta e seis milhões, trezentos e trinta e seis mil dólares) em valor de face. Por fim, o valor total da operação consta do orçamento da dívida pública mobiliária federal externa para o ano de 2015 e a aquisição de moeda estrangeira no montante necessário para a concretização da operação já foi realizada[1].

Para ilustrar a redução do custo de captação da República ao longo do tempo, o gráfico abaixo apresenta a evolução das taxas dos títulos de 30 anos de referência do Tesouro Nacional quando de sua emissão.  Nota-se que esses títulos ficaram mais aderentes com as condições de financiamento e acesso da República ao mercado de capitais internacional.

Gráfico - Evolução das taxas dos títulos de 30 anos na emissão (% a.a.)

Gráfico - Evolução das taxas dos títulos de 30 anos na emissão (%a.a.)




[1] Ver publicação completa 2015, pg 20-21 http://www.tesouro.fazenda.gov.br/plano-anual-de-financiamento

[2] Considerando o período compreendido entre a data da retirada do título e seu vencimento programado em 2040.

[3] No início de janeiro de  2015, o Tesouro Nacional já tinha à disposição a integralidade dos vencimentos para o ano, com a compra antecipada de USD 5.6 bi. Ver PAF-2015.