Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2013 > setembro > Governo fará adequações para tornar atrativas demais rodovias

General

Governo fará adequações para tornar atrativas demais rodovias

Mantega diz que intenção é aumentar atratividade de trechos com pedágios mais altos
publicado: 18/09/2013 14h00 última modificação: 26/05/2015 16h49

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta quarta-feira (18/9) que o deságio de 42,38% do leilão do trecho da rodovia BR-050, entre Goiás e Minas Gerais, indica que as concessões são investimentos rentáveis. “O empreendimento é rentável e lucrativo a ponto de você dar um deságio e continuar tendo vantagens”, avaliou.

Segundo o ministro, a partir do sucesso apresentado nesse trecho, o governo fará adequações para tornar mais atrativas as demais rodovias. “Nós vamos remodelar as outras rodovias, aquelas que, como a BR-262, não apresentaram interesse”, completou.

Mantega disse que o governo vai aumentar a atratividade dos trechos que possuem pedágio mais alto e volume de passageiros menor. “Nós temos um conjunto atrativo. Sabemos quais são as rodovias mais atrativas”. Ele ainda citou que as BRs-060, 050, 040 e 163 são todas atrativas. “As outras são um pouco menos e, por isso, vamos remodelá-las de modo que tenham um grande interesse e possamos ter uma forte competição e novos deságios”, concluiu.

A BR-050 foi leiloada na manhã de hoje. O consórcio Planalto arrematou o trecho com a proposta de tarifa de pedágio no valor de R$ 0,04534 por quilômetro. Isso representa um desconto de 42,38% em relação ao teto de R$ 0,0787 fixado pelo governo.

Mercado define preços

O secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, também comentou o resultado leilão, após participar de audiência na Comissão de Finanças e Tributação na Câmara dos Deputados. “Um deságio grande é sempre uma notícia importante”, comemorou.

Para Augustin, o mercado é que define os preços e, portanto, é normal os valores serem apresentados no processo de leilão. “Essa é a posição do governo. Os valores dos estudos são meros limites máximos, não são o valor final, que é definido pelo mercado”, ressaltou.