Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2013 > maio > “Não haverá aumento de tarifas de energia elétrica”, diz ministro

General

“Não haverá aumento de tarifas de energia elétrica”, diz ministro

Mantega diz que governo tem instrumentos para manter tarifas reduzidas
publicado: 29/05/2013 17h05 última modificação: 26/05/2015 16h49

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta quarta-feira (29) que o governo garantirá a manutenção do valor das tarifas de energia, que tiveram redução no início deste ano. Mantega afirmou que, apesar de o Senado Federal não ter aprovado a medida provisória da energia elétrica, o consumidor não será afetado.

“Não haverá aumento de tarifa de energia elétrica porque nós vamos usar outros instrumentos para realizar a manutenção do valor”, disse o ministro durante entrevista coletiva nesta manhã, em que comentou os resultados do PIB (Produto Interno Bruto) que foi de 0,6% no primeiro trimestre do ano.

Durante apresentação do resultado fiscal do Governo Central relativo a abril de 2013, o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, afirmou que o governo fará os pagamentos com base na Medida Provisória (MP) que ainda está em vigor. “Vamos fazer o pagamento da parte que consta na MP de forma antecipada, já no início da próxima semana”, comentou.

Augustin garantiu também que a transação não terá interferência no resultado primário. “O que vamos mudar é a forma de pagamento da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), que é do próprio setor elétrico e não causa primário. O impacto será de receitas que não vão entrar para o Tesouro Nacional ou para a Eletrobrás, mas sim, para a CDE”, explicou.

INFLAÇÃO

O ministro da Fazenda destacou ainda que a inflação está em queda e que a maioria dos preços dos alimentos está caindo. “Daqui para frente veremos a redução de preços dos alimentos”, afirmou Mantega. Ele destacou ainda que o desempenho da economia brasileira em 2013 será melhor do que foi em 2012.

"Começamos 2013 muito melhor que o ano passado, e se tivermos a mesma trajetória que tivemos em 2012 estaremos bem e poderemos atingir um crescimento satisfatório para o País", declarou.