Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2013 > junho > Primário de R$ 6 bilhões é o melhor da série, diz Augustin

General

Primário de R$ 6 bilhões é o melhor da série, diz Augustin

Secretário diz que resultado de maio é positivo, puxado por melhoria na arrecadação
publicado: 25/06/2013 14h55 última modificação: 26/05/2015 16h49

As contas do Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência e Banco Central) em maio registraram um superávit de R$ 6 bilhões. Segundo o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, esse foi o melhor resultado para meses de maio de toda a série histórica. “Maio não é um mês tipicamente bom, mas esse primário foi o melhor que já tivemos”, afirmou o secretário, em entrevista coletiva.

Augustin informou que o resultado se deve a uma recomposição de receitas. “Estamos melhorando a arrecadação nos últimos meses. Ela vem mostrando uma tendência de crescimento e isto é importante, não só pelo mês em si, mas porque significa uma projeção mais favorável para o ano”, disse.

Tanto o Tesouro Nacional quanto o Banco Central apresentaram saldos positivos nas contas do mês, de R$ 8,9 bilhões e R$ 42,7 milhões, respectivamente. Já a Previdência Social apresentou um déficit de R$ 3 bilhões em maio.

Acumulado do ano

De janeiro a maio deste ano, a receita líquida total somou R$ 387 bilhões, enquanto as despesas foram da ordem de R$ 354 bilhões, permitindo um superávit primário acumulado de R$ 33 bilhões. O valor representa 82,5% da meta fiscal do Governo Central para o segundo quadrimestre, que é atingir R$ 40 bilhões de saldo positivo nas contas. Essa meta considera a possibilidade legal de abatimento de até R$ 45,2 bilhões por conta de investimentos federais. "Tivemos um resultado muito bom, o que demonstra uma tendência bastante forte de tranquilidade para cumprimento da meta de primário", ressaltou Augustin.

Ainda em relação aos primeiros cinco meses de 2013, as receitas do Governo Central tiveram crescimento de 6,5% quando comparadas ao mesmo período de 2012. O aumento ocorreu, principalmente, devido à maior arrecadação de impostos e de contribuições, e ao maior número de receitas diretamente arrecadadas.

Até maio, os investimentos do Governo Federal somaram R$ 23 bilhões, um resultado 2,3% maior do que o obtido no mesmo período em 2012. Segundo o secretário do Tesouro, o cenário continuará dessa forma: "O investimento crescerá mais que o custeio". No acumulado em 12 meses, o resultado fiscal do Governo Central alcançou 74,5% de primário, o que corresponde a 1,6% do Produto Interno Bruto (PIB).