Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2013 > julho > Insumos básicos poderão ter imposto de importação reduzido

General

Insumos básicos poderão ter imposto de importação reduzido

Governo avaliará cotação do dólar até setembro e consolidará medida junto com o setor
publicado: 05/07/2013 18h35 última modificação: 26/05/2015 16h49

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou nesta sexta-feira (5), que está em estudo uma redução das alíquotas de importação para insumos básicos como aço, fertilizante, produtos químicos, vidros e painéis. De acordo com o ministro, a medida dependerá do patamar em que a cotação do dólar se fixará. “Caso não venhamos a fazer isso, poderá ter uma pressão inflacionária, tendo aumento nos preços dos produtos. Vamos observar”, destacou o ministro.

Em setembro de 2012, o governo elevou o imposto de importação desses insumos com o objetivo de garantir a competitividade do produtor brasileiro no mercado interno. A medida vale até setembro deste ano. “Daqui até esta data vamos observar e verificar se o dólar se fixa em outro patamar”, esclareceu Mantega.

O ministro explicou que, à época da elevação das alíquotas, houve um acordo com o setor nacional de que não haveria aumento de preços. No entanto, “alguns produtores fizeram reajustes, de fato, e, além disso, a turbulência causada pelo FED está desvalorizando o real”, destacou. Mantega afirmou também que o governo observará o comportamento do dólar e, eventualmente, diminuirá o imposto de importação proporcionalmente, “de modo a deixar a situação como estava”.

A definição será feita juntamente com os produtores nacionais. “Estamos conversando com o setor, não queremos atrapalhá-lo. De imediato, nada vai ser feito, não haverá redução da alíquota de importação. Tudo isso está sendo feito em discussão com o setor, de modo que será planejado para que não haja perdas ou possa continuar na trajetória que está atualmente”, disse o ministro.

IPCA

Guido Mantega comentou ainda o resultado do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) do mês de junho, que fechou em 0,26%, o que representa uma desaceleração frente ao índice de maio (0,37%). “Acho que foi muito importante. Se olharmos os componentes, alimentação, habitação e serviços, eles caíram”.