Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2013 > dezembro > Airbags e freios ABS serão itens obrigatórios em veículos a partir de 2014

General

Airbags e freios ABS serão itens obrigatórios em veículos a partir de 2014

Indústria automobilística se comprometeu a absorver problema do desemprego, afirma Mantega
publicado: 17/12/2013 19h05 última modificação: 26/05/2015 16h49

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou nesta terça-feira (17/12) a manutenção da regra que obriga a instalação de airbags e freios ABS, itens de segurança, em todos os veículos produzidos no Brasil a partir de 2014, após reunião com representantes da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) e do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.

“Não haverá mudança no calendário e 100% dos automóveis deverão ter os itens de segurança a partir do início do próximo ano. A maioria dos setores já implantou a medida e a indústria se comprometeu a absorver o problema do desemprego”, esclareceu Mantega, em entrevista coletiva à imprensa após a reunião, destacando que a principal preocupação do governo é a quantidade de demissões que pode ocorrer a partir da decisão.

Mantega informou que a situação da Kombi ainda será avaliada, pois como ela não tem concorrência e a indústria garante que não tem como adaptar os equipamentos de segurança para o veículo, ela teria de ser extinta. “Outra alternativa para a Kombi será estudada pela Anfavea, para que ela possa sobreviver um ou dois anos mais. Nenhuma das empresas presentes fez objeção”, esclareceu.

O presidente da Anfavea, Luiz Moan, que também participou da coletiva de imprensa, afirmou que, além da questão da Kombi, o apelo do ministro Mantega para que as empresas automobilísticas estejam envolvidas no processo de realocação de seus empregados será ouvido.

A associação criou um grupo de trabalho para estudar as soluções que podem ser aplicadas e apresentará a definição em nova reunião prevista para ocorrer na próxima segunda-feira (23/12).

A obrigatoriedade dos itens de segurança acarretará aumento nos preços dos automóveis, “que deverá ser de R$ 1.000 a R$ 1.500”, informou Moan.