Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2013 > agosto > Mercado está disfuncional, diz Tesouro

General

Mercado está disfuncional, diz Tesouro

Leilão mostrou que existe demanda para papéis de longo prazo
publicado: 22/08/2013 21h35 última modificação: 26/05/2015 16h49

O subsecretário da Dívida Pública, Paulo Valle, informou nesta quinta-feira (22) que a Secretaria do Tesouro Nacional (STN) vendeu todos os títulos ofertados hoje. A demanda, inclusive, foi bastante superior à oferta. Valle explicou que, em momentos de muita volatilidade, como a vivida atualmente, o Tesouro atua para dar parâmetro para o mercado financeiro.

No leilão foram vendidos um milhão de LTN com vencimento em abril de 2014 a taxa de 9,84%; 500 mil de NTN-F de janeiro de 2019 a 11,98% e outros 500 mil de NTN-F com vencimento em 2023 a taxa de 12,04%. Em leilão de compra realizado no dia anterior (quarta-feira, 21), Valle ressaltou que a taxa chegou a 12,27% para o mesmo papel (NTN-F 2023). “O resultado do leilão mostrou que o mercado ainda está disfuncional, se há investidores querendo comprar e vender a taxas semelhantes a essas, não haveria necessidade do Tesouro entrar”, pontuou.

Paulo Valle afirmou ainda que a STN continuará atuando no mercado, sempre que entender que há necessidade. “Visivelmente, o mercado está confuso. Enquanto houver volatilidade excessiva, o Tesouro poderá atuar. Nossa estratégia é, basicamente, reduzir duration (prazo médio dos títulos), ou seja, comprar papéis de longa duração e vender os de curta. Esse processo tira a pressão do mercado”, esclareceu.

O subsecretário disse que, do ponto de vista do financiamento, a situação é bastante confortável. Ele assegurou que o Tesouro Nacional possui em cash, na conta única, R$ 450 bilhões. Segundo Paulo Valle o Tesouro já prefinanciou toda a dívida interna com vencimento até janeiro de 2014, estando na mesma situação a dívida externa dos próximos dois anos. “Temos um colchão de liquidez razoável, o que nos dá flexibilidade de ação. Não cabe falar em dificuldade para pagar a dívida”, ressaltou.