Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2013 > agosto > Governo estima investimentos em 2014 de R$ 186,6 bilhões

General

Governo estima investimentos em 2014 de R$ 186,6 bilhões

publicado: 29/08/2013 16h10 última modificação: 26/05/2015 16h49

Os investimentos totais em 2014 estão estimados em R$ 186,6 bilhões, sendo R$ 105,6 bilhões do orçamento das empresas estatais e R$ 81 bilhões do orçamento fiscal e da seguridade social, de acordo com o projeto de lei orçamentária de 2014 encaminhado nesta quinta-feira (29) pelo Executivo ao Congresso Nacional.

O governo federal estimou um aumento nos repasses de recursos para as políticas sociais, como saúde, educação, Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) – incluindo o programa Minha Casa Minha Vida – e o programa Brasil Sem Miséria na comparação com o previsto em 2013.

A área de saúde deve receber R$ 100,3 bilhões contra R$ 94,6 bilhões previstos na proposta de orçamento deste ano. O valor estimado para 2014 está R$ 10,2 bilhões acima da obrigação constitucional de recursos para a área de Saúde - que é de R$ 90,1 bilhões.

O orçamento da área de educação, também de acordo com a proposta oficial, está estimado em R$ 92,4 bilhões - com alta de R$ 13,2 bilhões em relação ao projeto de orçamento de 2013. Tal valor também está acima da obrigação constitucional para a educação - que é de R$ 48,2 bilhões para o ano que vem.

Destaque entre os investimentos federais, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que inclui o programa Minha Casa Minha Vida, tem R$ 63,28 bilhões estimados para serem aplicados em 2014, contra R$ 52,2 bilhões de 2013. No caso do Brasil Sem Miséria, a previsão para 2014 é de R$ 32,5 bilhões em comparação com R$ 29,9 bilhões neste ano.

CUSTEIO ADMINISTRATIVO

Os ministros da Fazenda, Guido Mantega, e do Planejamento, Miriam Belchior, ao detalharem a proposta orçamentária do governo para 2014, informaram que as despesas com atividades fins dos ministérios foram mantidas ou ampliadas em relação a 2013. Mas, frisaram, que o ajuste anunciado pelo governo nas despesas de custeio administrativo será mantido no ano que vem.