Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2011 > agosto > Ministro prevê retomada lenta também na Europa

General

Ministro prevê retomada lenta também na Europa

publicado: 03/08/2011 00h00 última modificação: 26/05/2015 16h50
Conteúdo multimídia

 

03/08/2011

 

Dívida norte-americana

Ministro prevê retomada lenta também na Europa
Mantega defendeu medidas que coloquem “cordão de isolamento” no Brasil

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou, nesta quarta-feira (3/8), que, apesar do acordo para elevação do teto da dívida dos Estados Unidos, a dificuldade de recuperação daquela economia ainda é preocupante. Entre os fatores que freiam uma possível retomada, estão, na visão do ministro, o elevado percentual de desemprego, o fraco crescimento da demanda e os problemas que levaram à crise do subprime.

“Felizmente eles conseguiram aprovar esse aumento do endividamento, porém não é satisfatório, porque resolve o problema da dívida. Não vai haver inadimplência (default), mas acredito que o governo americano não tenha as condições para fomentar o crescimento da economia”, disse Mantega a jornalistas, ao chegar à sede do Ministério da Fazenda. Para ele, o episódio em torno da dívida dos EUA foi “mais político do que econômico”.

O titular da Fazenda voltou a afirmar que a crise mundial não acabou e que está numa fase um pouco maior do que estava, com desempenho da economia norte-americana inferior ao que era esperado. Ele prevê que Estados Unidos e União Europeia terão recuperação demorada. “Devemos esperar que essa questão se arraste por alguns anos”, declarou.

Ao expressar preocupação com os países em desenvolvimento, Mantega defendeu que é preciso tomar medidas que coloquem um “cordão de isolamento” no Brasil, para que o país não seja prejudicado por essas crises. “Os emergentes são menos afetados, porém são afetados por questões cambiais, questão da política monetária e falta de mercado”, detalhou.

Rebaixamento

O ministro disse ainda não acreditar em um rebaixamento da nota de rating da dívida norte-americana: “acho que não é o caso de rebaixamento dos Estados Unidos, porque, do ponto de vista financeiro, eles vão continuar sólidos, cumprindo suas obrigações”.

Indagado sobre o rebaixamento do rating norte-americano por pela agência de risco chinesa Dagong Global Credit Rating, de A+ para A, com perspectiva negativa, o ministro afirmou que eles deveriam tomar cuidado, uma vez que a China é o maior credor dos Estados Unidos. “Estão rebaixando os títulos que eles possuem”, concluiu.

Arquivo de áudio. Download do áudio com os comentários do ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Duração: 3m01s
Formato: MP3
Tamanho:
2,76 Mb
Taxa de bits: 
16 kbps
Acervo: Ministério da Fazenda
Status
: Áudio sem edição