Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Dívida Pública Federal caiu 3,6% em janeiro para R$ 2,046 trilhões

Investidores estrangeiros aumentaram interesse pelos títulos públicos brasileiros, apesar de volatilidade dos mercados

25/02/2014

A Dívida Pública Federal (DPF) caiu 3,6% em janeiro, passando de R$ 2,122 trilhões (registrado em dezembro de 2013) para R$ 2,046 trilhões, segundo dados divulgados nesta terça-feira (25/2) pela Secretaria do Tesouro Nacional. A DPF é a soma dos endividamentos interno e externo do governo federal. A queda da dívida foi motivada, principalmente, pela alta concentração de vencimentos de títulos públicos no mês passado e que superou o volume de novas emissões de papéis.

Somente a Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) caiu 3,85% no mês passado, para R$ 1,950 trilhão, contra R$ 2,028 trilhões em dezembro do ano passado. Já a Dívida Pública Federal externa (DPFe) aumentou 1,67% em janeiro, passando para R$ 96,2 bilhões – contra R$ 94,6 bilhões no final de 2013.

Perfil

Apesar da volatilidade nos mercados financeiros registrada no mês passado, a participação de investidores estrangeiros na dívida interna brasileira subiu de 16,1% do estoque em dezembro para 17,2% em janeiro, somando R$ 335,37 bilhões. O coordenador-geral de Operações da Dívida Pública, Fernando Garrido, destacou que essa participação é recorde e reflete a confiança internacional na capacidade do Brasil de gerir a dívida pública. O técnico do Tesouro Nacional acrescentou que grande parte dos títulos NTN-F, com vencimento em 2025, lançados no mês passado foram adquiridos pelos investidores não-residentes no Brasil. “E a gente observa que esse interesse pelos papéis brasileiros continua se mantendo”, completou.

Em relação à composição da DPF, em janeiro, os papéis prefixados (cujos juros são definidos no momento da venda aos investidores) reduziram sua participação de 42% para 38,6% , devido ao maior volume de vencimentos deste tipo de título. A parcela de títulos indexados a índices de preços aumentou de 34,5% para 36,3% enquanto aqueles remunerados por taxa Selic subiram sua participação na dívida de 19,1% para 20,3%. O prazo médio de vencimento da DPF subiu de 4,18 anos, verificado em dezembro do ano passado, para 4,39 anos, em janeiro. Segundo o Tesouro Nacional, esse é o maior prazo da série histórica.

Tesouro Direto

Em janeiro, o programa Tesouro Direto, que oferece títulos públicos para pessoas físicas, teve estoque e emissão recordes desde a sua criação em 2002. O estoque de papéis alcançou R$ 11,546 bilhões, alta de 1,37% em relação a dezembro de 2013, e o tipo de papel com maior representação nesse estoque são as NTN-B Principal, que correspondem a 43,23% do total. As emissões do Tesouro Direto atingiram R$ 665,92 milhões no mês passado. A reaplicação dos resgates programados no próprio Tesouro Direto e ao número expressivo de cadastros de novos investidores, de 5.427 participantes, explicam estes números. “Isso mostra que, ao ficar mais conhecido, o Tesouro Direto representa uma opção atraente para as pessoas”, afirmou Garrido.
 

Fonte Assessoria de Comunicação Social - ACS

Ações do documento